A consulta no Islã

Por Girrad Mahmoud Sammour

No islã, um dos princípios para se decidir qualquer coisa é através da consulta, não só no domínio político, mas também em escala social, envolvendo famílias e entidades profissionais.

Uma pessoa tem que lidar com muitas situações em sua vida. Às vezes, ele se vê preocupado com o que fazer e com o que não fazer, e às vezes há várias possibilidades e muitas maneiras na frente dele para alcançar seu objetivo e cumprir sua ambição, mas ele não sabe de que maneira é mais útil, benéfico e importante para ele. Ele hesita e precisa de opiniões e orientação de outros. Em tal situação, os ensinamentos do Islã nos aconselham a consultar sábios. Quando o assunto tem mais de uma opinião, a consulta mútua é necessária naquele momento.

Sem dúvida, através dela muitos problemas pessoais e sociais podem ser resolvidos. A combinação de dois padrões ou mais de pensamento sempre dá uma melhor solução para aquilo que buscamos.

O alcorão assim ensina: “e consulte com eles (seus companheiros) na matéria. E quando você decidiu, confie em Deus. Na verdade, Deus ama aqueles que confiam [sobre ele] ”
(Alcorão 3: 159). “E aqueles que respondem a seu Senhor, continuam orando, que consultam entre si e que distribuem (aos pobres) parte do que lhes demos” (Alcorão 42:38).

Assim, tanto a sabedoria quanto as narrações se combinam para indicar a posição sensível e o significado da consulta. Ter mais opiniões é a base da prosperidade e da melhoria social. Nas sessões de consulta, é comum expressar diferentes pontos de vista. Cada pessoa tenta defender suas próprias ideias e condenar as de outros. Deve haver um líder presente que possa reunir todos os pontos de vista e adotar a melhor visão, ou então tais sessões serão infrutíferas.

Depois de decidido devemos confiar em Deus, pois Ele a única autoridade sobre qualquer assunto se terá sucesso ou não.

Consultando outras opiniões faz com que as pessoas se sintam importantes e respeitadas. Isso, por sua vez, reveste bons sentimentos em relação a ele e garante um relacionamento saudável e respeitoso, o que beneficiaria os outros. Observe como isso se destina a beneficiar aqueles que são consultados mais do que a consultoria.

Este é um bom lembrete para quem tem autoridade para sempre manter aqueles envolvidos. Isto é mais ainda quando se trata do domínio doméstico, onde os maridos às vezes podem não sentir necessidade de consultar suas esposas.

O Profeta Muhmad Sws consultou sua esposa Khadija quando recebeu a primeira revelação, sendo um líder justo, um comandante militar envolvente e um pai e marido que continuamente receberam conselhos de sua família, promovendo o diálogo, a reciprocidade e a unidade.

Ao consultar os outros podemos avaliar a capacidade, compreensão e a inteligência, tendo assim propriedade do que acontece. Isso significa que os consultados exercerão o máximo possível de vontade, pois serão responsáveis ​​pelo resultado.

Esta é uma maneira eficaz de compartilhar a responsabilidade com as crianças e dar-lhes a oportunidade de amadurecer organicamente sob a orientação de seus pais. Assim, eles não serão deixados de lado, simplesmente recebendo o que fazer e não fazer, mas na verdade participando em decidir quais são essas regras.

No islã nem sempre se segue a maioria e nem a minoria. Cabe assim uma decisão final que esteja em harmonia com a maioria. O Profeta Muhmad (saws) também disse: “Não há falhas para quem consultou os outros em uma questão e não se arrepende de quem buscou a orientação de Deus, não havendo desvio do caminho certo para aquele que adotou moderação e equilíbrio em seus assuntos.”

Conclui-se assim que a consulta traz diversos benefícios desde a educação dos filhos ao trabalho, até as causas sociais aos passatempos, permitindo aos indivíduos sentir que seus comentários são valiosos e podem fazer a diferença e serem úteis para o bem comum.

Girrad Mahmoud Sammour, advogado, pós graduado em processo civil, professor divulgador do Instituto Latino Americano de estudos islâmicos para América Latina e Caribe, Presidente da Mesquita de Barretos.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *