Delegado detalha caso de estupro ocorrido neste último domingo no Miguel Fabiano

Ainda nesta segunda-feira,23, ocorreu a audiência de custódia e o juiz determinou prisão preventiva de M.C.R, que no momento encontra-se na cadeia de Colina

No início da noite deste último domingo, 22, um homem, M.C.R de 39 anos, foi preso por estupro após ser flagrado abusando sexualmente de um menino de nove anos, na Avenida 29 do Bairro Miguel Fabiano.

De acordo com declarações do delegado titular do 3º Distrito de Barretos, Dr. Celso Spadacio, responsável pelo caso, a vítima brincava em frente à sua casa, quanto tudo aconteceu. O acusado era conhecido da família e teria pedido à mãe para que deixasse pagar um refrigerante ao seu filho, no bar da esquina do quarteirão. Como o pai do menino estava no local, a mulher concedeu a permissão.

Após comprar o refrigerante, a criança guardou a lata dentro de casa e voltou para a calçada, sentando-se em uma cadeira. M.C.R sentou ao seu lado e, primeiramente, deu-lhe um beijo no rosto e um no pescoço. Após isso, debruçou-se e abusou da vítima sexualmente.

Uma mulher, que estava próximo à rua, estranhou o modo como o homem estava debruçado e os movimentos que fazia e chamou um vizinho, que se aproximou e confirmou que se tratava de um estupro. Ele chamou a atenção do agressor, que ficou assustado, mas saiu do local vagarosamente como se nada tivesse acontecido.

A mãe do garoto foi chamada e vizinhos também ligaram para a polícia. Juntamente com a PM, a criança conseguiu identificar o suspeito, não muito longe do bairro. Os policiais abordaram e prenderam M.R.C em flagrante por estupro de vulnerável (Art. 217A).

Na delegacia, o indivíduo disse ao delegado que errou e que havia bebido, mas que não havia feito mal ao menino. “O M.C.R praticou o delito de estupro de vulnerável, quando a vítima é menor de idade. Ouvimos as testemunhas, policial e vizinhos… Na oitiva, a criança detalhou como foi e contou que, em dado momento quis se afastar, mas o indivíduo o segurou. A mãe também foi ouvida e declarou que deixou ele comprar o refrigerante porque nunca imaginou que isso pudesse acontecer, já que o acusado frequentava a rua e era conhecido por todos”, ressaltou Dr. Celso.

Ainda nesta segunda-feira,23, ocorreu a audiência de custódia e o juiz determinou prisão preventiva ao homem, que no momento encontra-se na cadeia de Colina. “Neste caso, M.C.R poderá pegar de 8 a 15 anos”, declarou a autoridade.

A vítima foi submetida ao exame de corpo delito e agora está sendo atendida por especialistas, em tratamento psicológico. O delegado ainda alerta aos pais para os cuidados com estranhos. “É difícil quando são pessoas conhecidas pela família. Evitar deixa-las com pessoas estranhas. Para deixar sair junto somente parentes ou pessoas muito ligadas aos familiares, realmente de confiança”, finalizou Spadacio.

 

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *