Sex - 22/02
29º 21º 08:40
Guaíra - SP

Dedeagro e Morgan realizam Dia de Campo em parceria com o CATI

Evento contou ainda com parceria da FMC, Biosoja. Na oportunidade, foi apresentado os novos cultivares de milho MG545 Power Core, bem como o novo projeto de Integração Lavoura-Pecuária

Agro
Guaíra, 11 de fevereiro de 2019 - 15h58

A Dedeagro e a Morgan realizaram na última quinta-feira, 07, em parceria com a CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral) de Guaíra, FMC e Biosoja, um “Dia de Campo” nas Fazendas do Meio e Barracão de propriedade do Dr. Fernando O. Carvalho e Paulo Sérgio Lelis.

O evento reuniu produtores e profissionais do setor agropecuário de Guaíra e da cidade de Alberto Moreira e abordou um tema principal que tem ganhado força: a Integração Lavoura-Pecuária. Na oportunidade, também foram mostrados os portfólios da FMC, Biosoja e o material MG 545 PowerCore da Morgan.

O empresário e diretor da Dedeagro, João Dedemo, falou da importância da parceria com essas empresas em oferecer toda sustentação, bem como de apresentar novos cultivares, como exemplo o material da Morgan, que tem apresentado uma ótima performance no combate à “cigarrinha do milho”.

“Hoje, estamos tratando dois temais importantes aos nossos produtores. No meu pensar, mesmo essa tecnologia utilizada para Lavoura-Pecuária, no plantio consorciado do milho com a braquiária, poderia estar na contramão do produto que ofereço à Classe Agrícola. Porém, precisamos pensar diferente e nos unir na busca de outras ferramentas para melhorar a produtividade do produtor rural”, disse João Dedemo ao justificar a parceria no Dia de Campo.

Sobre o segundo tema, o engenheiro Agrônomo da CATI de Guaíra, Cândido Mielli Júnior destacou que foi realizado um diagnóstico nessa área, nas fazendas do Meio e Barracão, para embasar o incentivo à adoção da Integração Lavoura-Pecuária.

“Diante desse cenário, nos perguntamos ‘o que fazer para aumentar a rentabilidade nas propriedades que exploram pecuárias de corte e leite e melhorar as condições das pastagens’, sendo que reformá-las representa um custo alto por hectare? Com a implantação dessa tecnologia, consegue-se reformar as pastagens com um melhor custo.  Planta-se o milho para produção de silagem ou grãos e junto com o milho semeado colocam-se as sementes do pasto, com isso, é possível reduzir o custo e antecipar a reforma da pastagem. Assim, o produtor rural é beneficiado”, informou Cândido, apresentando planilhas de custos e valores.

Mielli disse ainda que no passado, a produção de grãos integrada com a atividade pecuária limitava-se a restritas opções e que hoje são inúmeras as ofertas tecnológicas aplicáveis aos mais diversos anseios e situações socioeconômicas dos produtores.


 



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS EM Agro
Ver mais >
Acompanhe nossas atualizações. Siga-nos