Deboche!

Editorial
Guaíra, 25 de fevereiro de 2016 - 09h50

Todos nós ainda trazemos na lembrança os gestos de Zé Dirceu e principalmente de José Genuíno, quando foram presos na operação do mensalão, e estes levantaram o braço, com o punho fechado, em riste, o que pareceu, naquele momento, uma arrogância sem fim.

Estavam sendo presos mas não perderam a pose que tem os homens acostumados a mandar, a decidir, a se achar superior aos demais. Pareciam querer dizer que era uma ousadia prender, por corrupção, homens de ilibada conduta. Estavam acostumados a ser tratados como deuses.

Não muito diferente disso, o coordenador da campanha de Lula e Dilma, João Santana e sua esposa Monica, também chegaram ao Brasil, presos e algemados e só não repetiram o gesto dos mensaleiros porque tiveram criatividade.

Mas, foram tão arrogantes quanto aos mensaleiros. João Santana desceu a rampa da Polícia de Curitiba sorrindo e até –  num gesto infantil – mostrando a língua. Monica mascava chiclete e não parava de rir.

Estavam rindo de todos nós! Traziam a certeza de que, após os cinco dias de prisão, sairiam para usufruir em dólares e euros todo o dinheiro que juntaram – lícitos ou ilícitos, somente a justiça dirá.

O que nos ofende é a arrogância desses homens e mulheres que praticam atos inescrupulosos e ainda não pretendem pagar por isso. Querem continuar sendo os donos do nosso país. A humildade passa longe dessas pessoas que não aceitam errar e pagar pelo erro.

Não são poucos os políticos que foram picados pelo mosquito da soberba. Basta ter um pouco de poder para se acharem os donos do mundo, para se acharem de uma raça superior. Ledo engano! Sérgio Moro está aí colocá-los no seu devido lugar e lembrá-los que não passam de corruptos, ladrões e usurpadores.


TAGS:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LEIA TAMBÉM
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente