23 milhões de brasileiros querem trabalhar!

Opinião
Guaíra, 21 de outubro de 2016 - 07h42

 

Um novo indicador divulgado pelo IBGE, no dia 13 de outubro, mostra dados ainda mais alarmantes sobre a problemática do emprego no Brasil:  falta trabalho, lamentavelmente, para 13,6% das pessoas em idade produtiva no Brasil, o correspondente a 22,7 milhões de pessoas.

Essa é a chamada taxa composta da subutilização da força de trabalho, agregando a taxa de desemprego, a taxa de desemprego por insuficiência de horas trabalhadas e a da força de trabalho potencial. Esse dado soma o contingente de pessoas desocupadas (11,6 milhões), o de pessoas subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas (4,8 milhões) e a força de trabalho potencial (6,2 milhões), representando 13,6% do contingente total de 166,3 milhões de pessoas em idade de trabalhar (14 anos ou mais de idade). Tais dados referem-se ao segundo trimestre de 2016.

Esse complemento traz novos detalhes sobre o mercado de trabalho, mas não muda o resultado do desemprego para o segundo trimestre deste ano – em julho, a taxa de desocupação bateu 11,3%, com 11,6 milhões de desempregados; já no trimestre encerrado em agosto – dado mais atualizado – o número de desempregados chegou a 12 milhões e a taxa, a 11,8%. Tais indicadores medem a necessidade não satisfeita de trabalho da população. Abrange, além dos milhões de desempregados, pessoas que estão no mercado ocupadas mas, por insuficiência de trabalho, poderiam e querem trabalhar mais horas.

Essa deterioração do mercado de trabalho faz parte da herança negativa deixada pelo governo petista, cuja incompetência em enfrentar os problemas econômicos do país trouxe uma perversa realidade: o desemprego não atinge somente a mão de obra não qualificada (abundante em todo o país) mas também os trabalhadores qualificados (administradores de empresas, advogados, jornalistas, enfermeiros, técnicos de nível médio ou superior etc).

Assim –  ao lado dos trabalhadores rurais, dos operários da construção civil, dos metalúrgicos, dos bancários e dos comerciários, entre outras categorias –  também os profissionais de nível superior, muitos deles altamente qualificados, encontram-se na busca de oportunidades de trabalho num mercado cada vez mais restrito e competitivo.

O desemprego – não canso de reiterar – é a principal e mais cruel chaga social brasileira porque nenhum drama é tão grave quanto o vivido por um cidadão querendo trabalhar – dispondo de capacidade e vontade – mas não encontrar trabalho. Haverá maior humilhação para um pai de família do que não dispor de recursos para as despesas básicas da sua casa?  O dia de um desempregado, lembro ainda, tem 24 horas como o de qualquer outra pessoa mas, no entanto, demora muito mais a passar devido a angústia de quem se vê privado de uma ocupação, seja ela qual for, tornando-se um fardo para si e para sua própria família.

Gerar empregos é, no Brasil e também na região de Ribeirão Preto de hoje, uma prioridade básica:  todo incentivo – tributário, fiscal e de qualquer outra ordem –  deve ser dado a quem queira investir ou empreender. Isto esperamos dos prefeitos e vereadores a serem empossados no dia 1º de janeiro de 2017: projetos e iniciativas voltadas para a geração de novos postos de trabalho.


TAGS:

Welson Gasparini

Welson Gasparini, deputado estadual (PSDB), advogado e ex-prefeito de Ribeirão Preto

Ver mais publicações >

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS PUBLICAÇÕES
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente