Esporte socializante

Opinião
Guaíra, 13 de julho de 2016 - 08h13

Fatos esportivos sempre atraíram atenções. Um bolo enfeitado e recheado com creme delicioso num intervalo de disputa esportiva multiplica o sucesso e faz muito mais. Foi o que sentimos em Guaíra-SP, em torneio de Vôlei de Praia pela Federação Paulista, no interior de São Paulo. Essa é uma história contada aqui por pai e filho, este último, o atleta. No trajeto desde a capital paulista onde a dupla participava de Congresso Brasileiro de Medicina Esportiva passamos por Leme, trafegando pela Via Anhanguera, na direção norte. Não pudemos entrar na cidade mas recordamos as muitas vindas à casa dos avós paternos, onde, à beira do Rio Mogi Guaçu, o esporte sempre esteve presente entre as crianças. Nos intervalos dos jogos havia os inesquecíveis e deliciosos quitutes, entre cufas, bolos e bolachas preparados pela avó. Era o toque carinhoso para o estímulo à prática esportiva daqueles pequenos. Um sucesso garantido, no momento certo, mirando o futuro. Seguindo viagem, algumas horas após, já na receptiva Guaíra, novas histórias, agora dos lances plásticos do Vôlei de Praia, modalidade olímpica que fez muitas duplas campeãs no estado e que tem como referências um tapete de areia quase sempre macia e o teto de céu azul quando o clima permite. O cenário é surpreendente. O lago brilha. Na manhã seguinte, com sol raiando, todos os atletas estão prontos para as eliminatórias, nos naipes masculino e feminino. As duplas que entram na arena mostram-se ansiosas. O premio é atraente, fazendo-os esforçar ao máximo para a vitória almejada. O sol à beira do lago queima a pele e o belo arvoredo ao lado é um refrigério convidativo aos torcedores presentes. Todos aplaudem os lances mais disputados dos duelos nas quadras. Num intervalo entre as disputas nota-se uma movimentação entre os presentes. Os sorrisos se abrem e eis que surge diante de todos nós uma surpresa agradabilíssima: um enorme bolo enfeitado é trazido ao recinto pelo atleta Bruno Malta, ali, à sombra do arvoredo daquele imenso parque. Até quem está distraído dos jogos aproxima-se. É a surpreendente oferta da senhora Elizabete Kol Malta, mãe de Bruno, que preparou o doce troféu, uma atitude que se repete a cada campeonato. Ela é muito querida e sempre oferece a todos os atletas aquela iguaria, no momento certo para as pessoas certas que estão no lugar certo. Cria uma festa social conectada com o esporte. Uma ideia altamente estimulante que atende à necessidade energética premente dos atletas e prestigia o evento, ampliando-o socialmente. Um sucesso digno do nosso registro. Esse é o ponto que queremos destacar. A brilhante iniciativa pessoal voluntária, filantrópica, exemplar, estimulante de dona Elizabete dá apoio, incentiva e convida a todos para o congraçamento. E o mais importante, promove entre adversários, juízes, dirigentes e torcedores, o espírito esportivo – tão carente entre nós. Ela dá o exemplo do quanto uma atitude social despretensiosa abrilhanta e promove o esporte entre jovens. É um exemplo de atitude social elogiável e garante o entusiasmo sadio entre todos. Foi o que sentimos nesta bela cidade e queremos registrar aqui o quanto atitudes como essa poderão estimular todos à cidadania e – se tiverem orientação – até tornarem-se atletas de alto desempenho, podendo competir em olimpíadas, por que não? É assim que começa o preparo de um torneio olímpico exemplar: com bola e bolo. Parabéns e obrigado, senhora Elizabete Malta e seu privilegiado filho, o atleta guairense Bruno. Parabéns Guaíra!


TAGS:

Daniel Habermann

Daniel Habermann Médico especialista em Medicina do Esporte e atleta de Vôlei de Praia

Ver mais publicações >

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS PUBLICAÇÕES
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente