Getulismo

Opinião
Guaíra, 26 de agosto de 2017 - 10h37

Nós, Trabalhistas, comungamos de um sentimento amplo que é nossa concepção de mundo, cuja a justiça social, a educação libertária e a soberania de nossa nação são os caminhos verdadeiros para nossa emancipação.

Sofremos o mais devastador efeito de sentir as mazelas de nossa gente, que sofre desde o nosso descobrimento a mais brutal luta de classes. Nós fomos concebidos para sermos escravos, e para termos nossas riquezas vilipendiadas.

Suportamos as chibatas e as brutalidades de ver prosperar uma classe dirigente apátrida, complexada, que utiliza os meios mais indecorosos para se alto – locupletar, à custa de nossa miséria, ignorância e assimilação de classe.

Getúlio Dornelles Vargas se fez chefe de uma revolução e venceu, derrotou a carcomida política café-com-leite, rompeu com o estigma de subdesenvolvimento, alforriou o trabalhador pátrio eenfrentou as mais perversas elites.

Caluniado, difamado e infamado, não se curvou, saiu da vida e entrou para história, dividiu nossa existência enquanto povo eedificou uma era.

Após 63 anos,as marcas indeléveis de Getúlio são objeto das mais acirradas disputas, como: a sanha primitiva dos derrotados da era Vargas e das viúvas do coronelismo, que inconformadas ainda lutam para desmontar o seu legado.

Atualizada, contemporânea e presente, as balizas do Getulismo ainda são os tentáculos mais coevos que temos.

Nada mais humano e moderno em reconhecer o trabalhador como parte fundamental na disputa entre capital e trabalho, onde se deve equilibrar essa relação.

A CLT, hoje,foi agredida por um governo golpista e ilegítimo, e a concepção pendular de uma balança que sempre privilegiou o capital em detrimento do trabalho. As garantias impostas na era Vargas eram os instrumentos que a classe trabalhadora tinha para se defender.

A visão estratégica, moderna efuturística de Vargas garantiram ao Brasil um desenvolvimento até agora não superadono campo do minério, do aço, do petróleo, da afirmação soberana e dos direitos dos trabalhadores.

As digitais inapagáveis continuam a perturbar os que conceituam o Brasil como um país cujo destino é servir aos interesses impublicáveis de nossos colonizadores.

Getúlio transformou nossa sina de vira latas, e colocou o Brasil como uma das nações mais promissoras socialmente e economicamente.Pagou o preço caro de desafiar a ordem estabelecida.

Perseguido implacavelmente, as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se e desencadearam-se contra ele.  Era necessário, urgentemente, sufocar sua voz e seu legado.

As velhas alianças subterrâneas dos grupos internacionais e nossa classe dominante de parasitasrevoltaram-se, irreversivelmente, contra Vargas.

Derrotadas, imaginaram curvá-lo, mas Getúlio em um ato extremo, mais uma vez, sobrepujou o entreguismo e as elites,e reassumiu sua condição elevada de maior estadista que esse país já produziu.

Doou sua vida por uma causa, e ofereceu sua morte para a luta, deu serenamente o passo no caminho estreito de entrar para historia.


TAGS:

Henrique Matthiesen

Henrique Matthiesen – Bacharel em Direitoo e Jornalista

Ver mais publicações >

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS PUBLICAÇÕES
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente