A salvação é a cidade

Opinião
Guaíra, 24 de setembro de 2017 - 09h53

Enquanto uma parte do Brasil fica de olhos, ouvidos e atenção voltada para o que acontece no Planalto, a planície continua a trabalhar e a acreditar no futuro da Nação. Por isso é verdadeiro afirmar que a salvação da Pátria está na cidade.

Não há como deixar de lembrar uma vez mais o tirocínio de Franco Montoro, que costumava repetir: “Ninguém nasce na União, nem no Estado. A pessoa nasce na cidade!”. E é isso mesmo.

Quem percorre o Estado de São Paulo e encontra comunidades coesas em torno às suas lideranças, a explorar sua vocação natural e a entender que crises são passageiras, enquanto os ideais são permanentes, fortalece-se na crença de que somos muito maiores e muito melhores do que se propala.

E não é apenas uma intuição. A Consultoria McKinsey, após uma pesquisa concluiu que as cidades predominarão em relação às mais elevadas instâncias, em termos de tomada de decisão política e econômica e na definição da qualidade de vida de seus habitantes.

O município pode garantir um convívio superior àquele que depende de esferas governamentais distantes como a União.

Veja-se a educação: um prefeito bem assessorado pode fazer com que as escolas de sua cidade sejam mais proficientes do que a média nacional. Basta acompanhar o desenvolvimento do processo educativo, que é responsabilidade do governo, sim.

Mas também da família e da sociedade. Ninguém está liberado de contribuir para que a educação propiciada à infância e à juventude seja de efetiva qualidade.

Pais que frequentam a escola, se aproximam da direção, participam da Associação de Pais e Mestres, incentivam seus filhos: primeiro a respeitar o professor e demais profissionais da educação, depois a levar o ensino a sério, contribuem para formar uma cidadania apta a um convívio harmônico e feliz.

As pessoas de bem são a maioria nas cidades paulistas. Elas querem um amanhã melhor do que este, resultado de uma promiscuidade que deve ser banida da vida pública brasileira.

O dinheiro do povo é sagrado e precisa ser cuidadosamente aplicado. E a fiscalização e controle começa na cidade. Ensinar as pessoas que tudo o que compete à Administração Pública provém do bolso do povo não é impossível e se torna arma poderosa em momentos de desânimo.

Os Prefeitos e gestores que sabem disso já estão convertendo São Paulo num Estado-exceção dentro da República. E que isso se propague, para salvação do Brasil.


TAGS:

José Renato Nalini

José Renato Nalini é Reitor da Uniregistral, docente universitário e Presidente da Academia Paulista de Letras – 2019/2020

Ver mais publicações >

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS PUBLICAÇÕES
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente