A verdadeira pobreza

Opinião
Guaíra, 19 de março de 2017 - 07h41

Se perguntado a alguma pessoa quem são os pobres, a maioria irá responder que são aqueles que não possuem dinheiro, propriedades, status, que vivem com poucos recursos.

O islã ensina que as características acima indicam apenas questões sociais, pois na realidade todas as pessoas são pobres, pois há apenas um Rico que é Deus, onde todos os seres humanos são dependentes do Criador.

Muitas pessoas, quanto mais perderam algo na vida e com a vida simples, mais ricas se tornaram, pois tiveram contentamento, alegria, gratidão, compaixão, etc. e muitas pessoas quanto mais ganhavam na vida de dinheiro e propriedades, mais pobres permaneciam, adquirindo rancor, avareza, arrogância, ingratidão, etc.

Quantas pessoas com muito dinheiro que nós conhecemos, teriam tudo para sorrir e ficarem tranquilas, mas no fundo há uma angústia que as impede. Por outro lado há pessoas simples, que sempre estão sorrindo e com seus corações leves.

Assim é dito no alcorão: “Em verdade, é na lembrança de Deus que o coração encontra conforto.” (Alcorão 13:28).

Como a humanidade é propensa à preguiça e injustiça, não ter maneiras estabelecidas de lembrar ou adorar Deus nos faria negligentes e afundaríamos cada vez mais em transgressão e trevas, até esquecermos Deus completamente, junto com nossos papéis e responsabilidades na vida, tornando assim pessoas pobres mesmo com muito dinheiro.

Certa vez um pai de uma família muito rica levou seu filho para uma viagem, com o propósito de mostrar a ele como as pessoas pobres viviam. Passaram vários dias em uma fazenda de uma família humilde.

Ao voltar da viagem, o pai perguntou ao filho: Como foi a viagem? E ele respondeu que havia sido excelente. O pai perguntou: “Você viu como as pessoas pobres vivem?”

“Ah, sim”, disse o filho.

“Então, me diga, o que você aprendeu com a viagem?” Perguntou o pai.

O filho assim respondeu: “Eu vi que temos um cachorro e eles tinham quatro. Temos uma piscina que atinge o meio do nosso jardim e eles têm um riacho que não tem fim. Temos lanternas importadas em nosso jardim e eles têm as estrelas à noite. Nosso pátio é enorme e eles têm todo o horizonte. Temos um pequeno pedaço de terra para viver e eles têm campos que vão além de nossa vista. Temos criados que nos servem, mas eles servem uns aos outros. Nós compramos nossa comida, mas eles plantam e colhem a deles. Temos paredes ao redor de nossa propriedade para nos proteger, eles têm amigos para protegê-los.”

O pai do menino ficou sem palavras. Então seu filho acrescentou: “Obrigado, papai, por me mostrar como nós somos pobres.”

O que adianta querermos abraçar o mundo se a vida é tão simples, rápida e passageira, onde o importante é saber nossas obrigações, dar o direito de cada coisa, pois nada somos, do que uma pessoa entre outras bilhões aqui na terra?


TAGS:

Girrad Mahmoud Sammour

Girrad Mahmoud Sammour, Advogado, Pós Graduado em Processo Civil, Professor Divulgador Do Instituto Latino Americano De Estudos Islamicos-Ilaei, Diretor Da Mesquita De Barretos-Sp. Dúvidas e palestras  [email protected]

Ver mais publicações >

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS PUBLICAÇÕES
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente