Comércio fecha lojas e corta empregos…

Opinião
Guaíra, 11 de março de 2017 - 07h33

O cenário econômico brasileiro continua assustador e, lamentavelmente, não se vê uma luz no fundo desse túnel no qual fomos colocados após o desgoverno petista. Em artigo recente focalizei dados relacionados à queda da produção industrial brasileira conforme levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgado no último dia 31 de janeiro. Hoje, numa outra face dessa moeda, meu olhar se volta para outro segmento da economia tremendamente afetado por essa conjuntura adversa: o comércio!

Li, com apreensão, matéria especial do “Estado de São Paulo”, publicada no último dia 13 de fevereiro, mostrando um quadro terrível: 2016 foi o pior ano do varejo brasileiro, com números recordes de fechamento de lojas e retração de vendas. A matéria teve uma fonte insuspeita: a Confederação Nacional do Comércio que, por sua vez, se baseou no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.

Um fato, lamentavelmente, remete ao outro: se a produção industrial caiu é porque houve queda na venda dos produtos industrializados. E um círculo vicioso originado, não canso de repetir, pela queda do poder aquisitivo do consumidor; o cidadão limita-se, quando o dinheiro está curto, ao essencial; se estiver desempregado, então, muitas vezes sequer compra o essencial!!

Entre aberturas e fechamentos, 108,7 mil lojas encerraram atividades no país no ano passado e 182 mil trabalhadores foram demitidos; 2016 superou os recordes negativos registrados em 2015 tanto na quantidade de lojas desativadas quanto nas vagas fechadas: em dois anos, o comércio encolheu em mais de 200 mil lojas e 360 mil empregos diretos foram eliminados. Se esse cenário atingiu as pequenas e médias lojas, os comerciantes ditos menores, também afetou o dos shoppings centers, dos hipermercados e dos supermercados, que dizer então dos mercadinhos das esquinas…

O grupo Seta, que tinha 50 lojas no atacarejo (atacado e varejo) nos Estados de São Paulo, Rio e Amazonas fechou 28; só na cidade de São Paulo, fechou 7 e demitiu 1180 funcionários; mais 1180 pessoas nas ruas, só de uma rede comercial, procurando, sem encontrá-los, empregos…

O desânimo do varejo é visível tanto nas ruas de comercio popular quanto nas lojas sofisticadas; mas o pior mesmo, o mais grave, é o fechamento de lojas das quais, muitas vezes, o próprio comerciante depende para sobrevivência sua e dos seus. E ele só fecha o estabelecimento quando perde, até mesmo, a esperança de dias melhores. A quantidade de placas de “aluga-se” –  constantes nos centros e nas periferias das grandes, pequenas e médias cidades – é outro fator inquietante. Cada placa de “aluga-se” deve ser vista, a meu ver, como um alerta, um sinal de que a situação está ruim e, se não houver uma reação rápida e efetiva, tende a piorar ainda mais.


TAGS:

Welson Gasparini

Welson Gasparini, deputado estadual (PSDB), advogado e ex-prefeito de Ribeirão Preto

Ver mais publicações >

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS PUBLICAÇÕES
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente