IIFamiglie

Opinião
Guaíra, 7 de abril de 2017 - 07h58

A ingenuidade pátria ignora que o monopólio midiático no Brasil funcione como uma organização,cujos objetivos estão submetidos a uma direção colegial oculta e que repouse numa estratégia de manipulação e indução da opinião pública, para defenderem seus interesses empresariais e políticos.

Invariavelmente,os poderes públicos do Brasil – sejam Governadores, Ministros e Presidentes – sempre se agacharam frente esse poder imperial, que determina os rumos da economia e de nosso desenvolvimento, ou retrocesso. Os que resistiram pagaram caro pelas sequelas impostas por esses barões.

Agem no conceito “famiglie”, um conjunto de pessoas que possuem interesses comuns e se juntam em irmandade para a obtenção de suas aspirações pessoais, políticas e econômicas.

O poderosíssimo monopólio midiático no Brasil que junta ascinco “famiglies” possuidoras das maiores empresas deste ramo, como: Civitas- Revista Veja, Marinhos -Organizações Globo, Frias –  Folha de SP, Mesquitas –  Grupo o Estadão e os Saads –  Grupo Bandeirantes.

Essas “famiglies” atuam dolosamente contra o conceito de Soberania Nacional, são desprovidas do sentimento pátrio, por seus mercados e pelo complexo de submissão, é o caso, por exemplo, da revista Veja que funciona como porta-voz dos mais espúrios negócios do departamento de Estado dos EUA contra o Brasil.

Constantemente, as “famiglies” foram contra a construção da Petrobrás, conseqüentemente contra o projeto de desenvolvimento implantado por Getúlio Vargas e pregaram confessadamente o golpe contra João Goulart, adularam e enriqueceram com o regime dos Generais, escoraram José Sarney, produziram Collor, se deram ao luxo de alçar FHC, engoliram Lula, e derrubaram Dilma, e agora tentam arquitetar Dória.

A folha corrida destas “famiglies” contra o Brasil é imensurável, todavia contam com a benevolência da justiça acovardada, e com os seus tentáculos em todas as esferas de poder.

Mas o pior crime dolosamente cometido por essa organização é a manipulação infame da opinião pública brasileira, que segue o rito da criminalização da política, e retransmiti o conteúdo panfletário dos integristas, que aproveitam da despolitização secular que temos.

Esse carcinoma que agride a sociedade Brasileira precisa ser enfrentado. A unificação do discurso da submissão, da alienação e da aceitação cordata de que somos desprovidos de direitos,e que isso é da natureza humana, nos regride e nos remonta aos tempos escravocratas.

A crise em que atravessa o Brasil, a perda de direitos da classe trabalhadora e a corrupção institucionalizada têm as digitais das grandes“famiglies” que detém o monopólio da alienação pátria.


TAGS:

Henrique Matthiesen

Henrique Matthiesen – Bacharel em Direitoo e Jornalista

Ver mais publicações >

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS PUBLICAÇÕES
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente