Julgai a vós mesmos antes que sejais julgados

Opinião
Guaíra, 10 de maio de 2016 - 08h15

Muitas vezes julgamos as pessoas por algum defeito, falhas, uma ação que não gostamos, uma palavra mal dita etc, porém nos esquecemos de olhar para os nossos próprios defeitos. Neste ponto devemos verificar nossos erros, antes de apontar o dedo para as outras pessoas. Deus diz no alcorão Juro pelo Dia do Juízo! E pela alma que se censura”. O sábio Hassan El Basri assim comentou sobre este versículo: qualquer muçulmano (sensato) repreende a sua própria alma, dizendo: “Que tipo de consumo eu me alimentei? Que tipo de palavras eu expressei?” Ele sempre culpa a si mesmo. Enquanto que o transgressor diverte-se e deposita a sua confiança em algo material; ilude-se pela sua posição profissional, ou o tipo de atividade que ele faz, seus bens, etc. Em outro versículo assim é mencionado no Alcorão: “Por certo, a cegueira não está nos olhos; porém, está na inteligência que está no centro das suas mentes”. E diz ainda: “…eles possuem inteligência, mas com ela não entendem”. Nestes versículos vemos que a vida do ser humano as vezes chega ao nível do comportamento irracional, e as vezes torna-se ele pior que um animal, sem, no entanto, poder enxergar uma luz, nem a fé e nem a conduta em suas ações. Normalmente as pessoas se dividem naquelas que suas almas são inclinada ao mal, aquelas que possuem almas repreensivas, representada num fiel que comete erros e mistura as ações boas com as outras ruim e almas tranquilas, representadas num fiel que atingiu o nível da bondade e está tranquilo pela quantidade de bons atos por ele praticados. A estes últimos no momento da sua morte lhe será dito: “Ó alma tranquila! Volte ao seu Senhor satisfeita e bem-aventurada! E logo depois entre (no corpo) dos meus servos, e depois entre no Meu Paraíso”. O Profeta Muhamad SAW disse: “O inteligente é aquele que repreende a sua alma e pratica aquilo que lhe será valioso após a morte. E o fraco é aquele que segue as paixões do seu coração e confia que será perdoado”. Qualquer um de nós deve realizar um auto julgamento, como passei meu dia, realizei o bem, maltratei alguém, agi corretamente, tentando sempre aprimorar e melhorar dia a dia, com boas condutas e valores. É relatado que certa vez uma mulher olhava de sua casa para sua vizinha e dizia a seu marido: Olhe a fulana não lava corretamente suas roupas e isso se repetiu por alguns dias, até que um dia ela olhou e viu as roupas limpas e foi informar o ocorrido ao seu marido. O mesmo assim respondeu: não eram as roupas dela que estavam sujas e sim nossa janela que eu limpei.   Um sábio islâmicos disse: nós somos semelhantes ao homem que tem uma roupa branca e outra preta, quando ele veste a roupa preta não precisa ter medo da mancha sobre sua roupa, pois ele pode até dormir no lixo a sua roupa continurá preta na mesma, como antes. Mas os verdadeiros pensam como um homem que vestiu uma roupa branca, pois a sua roupa se mancha com qualquer sujeira. Por isso o Profeta Muhmad SAW costumava dizer, durante o início das orações: “…purificai-me (ó Deus), dos pecados, ao ponto de ficar limpo como se purifica uma roupa branca ficando sem manchas”. Assim feliz é aquele que corrige seus erros enquanto há tempo de se arrepender, sabendo que seremos julgados pelas nossas ações, falando o bem sempre e quando não formos capazes, ficar em silêncio será melhor.                  


TAGS:

Girrad Mahmoud Sammour

Girrad Mahmoud Sammour, Advogado, Pós Graduado em Processo Civil, Professor Divulgador Do Instituto Latino Americano De Estudos Islamicos-Ilaei, Diretor Da Mesquita De Barretos-Sp. Dúvidas e palestras  [email protected]

Ver mais publicações >

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS PUBLICAÇÕES
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente