Pensar bem

Opinião
Guaíra, 22 de novembro de 2017 - 09h45

O Islã não apenas aborda como as pessoas devem agir uns contra os outros, mas mesmo na medida em que eles devem pensar secretamente um sobre o outro. Verdadeiramente, o ênfase do Islã não é apenas sobre os atos superficiais, mas mais em direção à espiritualidade e intenção profunda por trás dos atos.

 Nada alivia o coração e faz a pessoa mais feliz do que pensar bem dos outros. Ele protege o indivíduo de pensamentos preocupantes que perturbam sua paz mental e esgotam o corpo. Pensar bem dos outros leva a um coração sadio, fortalece os laços de cordialidade e amor entre os indivíduos de uma comunidade e liberta os corações do ódio e do rancor.

O Profeta Muhamad SWS, disse: “Cuidado com as suspeitas, pois a suposição é a falsidade, e não seja inquisitiva, e não espioneis uns aos outros, e não invejem uns aos outros, não odeie uns aos outros e não se evitem uns aos outros; sejam companheiros irmãos e servos de Deus”.

 Se cada um de nós deve se colocar no lugar de seu irmão quando o último faz ou diz algo, isso o ajudará a pensar bem dos outros. Quando alguém diz ou faz algo que te irrita, ele deve tentar encontrar desculpas para ele, que aquele ato não tinha qualquer má intenção.  Por isso o Profeta Muhamad SWS disse: “Você deve ter setenta desculpas para seu irmão antes de pensar mal dele”. 

 Antes de julgar, devemos sempre procurar entender que aquele ato que não nos agradou era por algum outro motivo que a pessoa está passando, seja na sua vida, no seu trabalho, da sua família, sua saúde, etc.

 Às vezes, quando uma pessoa tenta cumprir o dever obrigatório de aconselhar contra o mal ou as ações ruins, as pessoas consideram que estão sendo julgadas. Por isso ficam ofendidos e chateados. Há uma linha fina entre julgar alguém e aconselhá-los a fazer o que é certo; no entanto, eles não são os mesmos. Não temos permissão para julgar, mas, também somos obrigados no Islã a aconselhar uns aos outros.

Precisamos garantir que percebamos a diferença entre julgar e aconselhar e não dissuadir o crescimento na sociedade, abster-se de aconselhar e ajudar uns aos outros espiritualmente. Se uma pessoa tentar aconselhar um irmão ou uma irmã para corrigir certa falha, desde que as decisões corretas e as etiquetas em fazê-lo sejam respeitadas, este ato deve ser tomado como uma benção e não como sinal de ser julgado.

É natural que as pessoas cometam erros, mesmo sem querer. Acusar os outros e pensar bem em si mesmo é uma das consequências malignas de pensar mal dos outros.  Esta é uma maneira de uma pessoa ser culpada de atribuir pureza a si mesmo, pois apenas Deus é Puro, não podendo reivindicar a pureza a si mesmo, conforme diz no alcorão: não se reivindiquem para serem puros; Ele sabe muito sobre quem o teme.  [Alcorão 53:32].

 Pensar bem dos outros requer treinamento extensivo e luta contra si mesmo, particularmente porque nosso inimigo quer a separação, a intriga, o ódio, intolerância, etc. e quando nutrimos o bem em relação aos outros, temos a fraternidade, a união e tolerância com os demais.


TAGS:

Girrad Mahmoud Sammour

Girrad Mahmoud Sammour, Advogado, Pós Graduado em Processo Civil, Professor Divulgador Do Instituto Latino Americano De Estudos Islamicos-Ilaei, Diretor Da Mesquita De Barretos-Sp. Dúvidas e palestras  [email protected]

Ver mais publicações >

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS PUBLICAÇÕES
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente