Se a vacina para coronavírus for aprovada, quem vai receber primeiro?

Brasil entra em parceria para produzir a vacina de Oxford contra o novo coronavírus. Veja quais grupos tomariam as doses iniciais

Saúde
Guaíra, 13 de julho de 2020 - 23h06

Você certamente ficou sabendo que o governo federal do Brasil anunciou uma parceria com a Universidade de Oxford, na Inglaterra, a embaixada britânica e o laboratório AstraZeneca para receber a tecnologia de uma vacina contra o coronavírus (Sars-CoV-2), caso ela se mostre efetiva. O mesmo acordo prevê a compra antecipada de insumos para a produção nacional de 30 milhões de doses. Caso estudos finais com o imunizante demonstrem eficácia e segurança, materiais para a fabricação de outras 70 milhões de doses serão adquiridos.

Isso significa que, se tudo der certo e pintarem resultados positivos já em outubro, teremos, entre o fim deste ano e o começo de 2021, 100 milhões de imunizantes para evitar o coronavírus à disposição dos brasileiros.  Se possuímos uma população com mais de 200 milhões de habitantes, quem vai receber as vacinas contra a Covid-19 primeiro?

De acordo com a infectologista Lessandra Michelin, diretora da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), o esquema de vacinação deve focar em um grupo muito similar ao quereceber as injeções contra a gripe na rede pública. “Ao menos essa é a previsão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa”, informa.

Estamos falando de idosos, crianças, grávidas, puérperas, profissionais da saúde, indígenas, professores, doentes crônicos, pessoas privadas de liberdade, funcionários do sistema prisional, caminhoneiros… Por quê? Ou essas pessoas têm um maior risco de complicações da Covid-19, ou uma probabilidade especialmente alta de entrar em contato com o vírus (caso de professores e profissionais de saúde, por exemplo).

Estudos no Brasil com essa vacina

Depois de passar pelas primeiras etapas de pesquisa em humanos, a vacina de Oxford entrou no teste de fogo: o estudo de fase 3, que avalia sua real capacidade de reduzir o risco de infecção em milhares de pessoas.

E parte dos voluntários que receberão o imunizante estarão no Brasil, por meio de uma parceria com a Universidade Federal de São Paulo e outras instituições. Entre os motivos para sermos um dos países a receber a pesquisa está o fato de que, por aqui, o ritmo de novos casos segue alto. Em um ambiente onde o coronavírus circula com intensidade, é mais fácil saber se uma vacina funciona ou não. Além disso, nosso país tem um histórico de produção de imunizantes.

“Os integrantes do estudo serão acompanhados por um ano”, relata Lessandra. Ué, mas se essa investigação vai durar tudo isso, como é que há a possibilidade de darmos as injeções à população geral entre o final de 2020 e o começo de 2021?”A médica relata que, em situações de urgência, dados preliminares já são suficientes para a validação do produto pelas agências regulatórias, em caráter de emergência. Ou seja, se o trabalho trouxer primeiros resultados positivos na prevenção da infecção, é bem provável que a Anvisa libere sua distribuição e siga acompanhando a evolução da pesquisa.

Acredita-se que o imunizante precisará alcançar a eficácia de no mínimo 70% para ser aprovado. Em outras palavras, de cada 100 indivíduos, ao menos 70 teriam que ficar protegidos da doença ao tomarem sua dose.

Bom, mas e se os levantamentos mostrarem que a vacina de Oxford não funciona? Segundo o Ministério da Saúde, parte daqueles insumos necessários para a produção de 30 milhões de doses pode ser reaproveitada em outras áreas ou pesquisas.

Nos EUA

Duas vacinas experimentais desenvolvidas em conjunto pela empresa alemã de biotecnologia BioNTech e pela gigante farmacêutica norte-americana Pfizer receberam a designação de “via rápida” da agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, informaram as duas empresas nesta segunda-feira, 13.

As candidatas a vacinas BNT162b1 e BNT162b2 são as mais avançadas entre as pelo menos quatro que estão sendo avaliadas pelas duas companhias em testes nos EUA e na Alemanha. Neste mês, as duas empresas disseram que a BNT162b1 mostrou potencial contra o vírus e foi bem tolerada no estágio inicial de testes em humanos. Dados iniciais dos ensaios feitos na Alemanha com a BNT162b1 são esperados para julho, disseram as empresas.

Se os estudos em andamento tiverem sucesso e as vacinas receberem aprovação regulatória, as empresas dizem esperar produzir até 100 milhões de doses até o final deste ano e potencialmente mais 1,2 bilhão de doses até o final de 2021. As companhias afirmaram que esperam iniciar um teste em larga escala com até 30 mil participantes até o final deste mês, se receberam aprovação das autoridades reguladoras.

O status de “via rápida” dado pela Food and Drug Administration (FDA) é dado para acelerar a análise de novos remédios e vacinas que mostram potencial de atender necessidades médicas ainda não resolvidas.

Fontes: Saúde Abril e Terra


TAGS:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS EM Saúde
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente