”Nossa casa queima!”

Editorial
Guaíra, 27 de agosto de 2019 - 09h31

A frase que inicia o editorial de hoje é – como foi amplamente ventilado – do Presidente da França, Emmanuel Macron, se referindo aos acontecimentos atuais na NOSSA Amazônia.

Algum brasileiro publicou que a ”Nossa Catedral de Notre Dame queima?” quando aconteceu o fatídico incêndio, em abril deste ano, em Paris.

Acontece que a Europa está definhando. Ainda conserva a beleza e a cultura do velho mundo, mas tiveram que ver novas superpotências irem surgindo e superando a Inglaterra, por exemplo.

Assim, os olhos gulosos do mundo se voltam para o Brasil, para a potência do nosso agronegócio e para as riquezas quase que intactas do subsolo daquela região.

Não se iludam, pois, não tem nenhum gringo preocupado com as árvores que entram em combustão – quase que em um processo natural – nesta época do ano.  Também não estão preocupados em pacificar os índios ou zelar pelo bem estar das famílias ribeirinhas que residem longe de tudo: Da saúde, da escola, do conforto e da luz elétrica.

Há ONG’s espalhadas por toda a Amazônia e a língua menos falada por lá é o Português. Assim, sabe-se que o velho discurso que a Amazônia é o pulmão do mundo também está velho e desgastado. Sabe-se que a oxigenação é originária dos oceanos, para onde deveriam voltar as atenções dos verdadeiros ecologistas.

Querem atingir o nosso agronegócio e colocar uma coleira com os dizeres ”colonialistas” nos brasileiros, pois estão indignados com a nossa ousadia de nos transformarmos em uma potência mundial.

Engrossando a fileira de todos patriotas, reiteramos que o Brasil é nosso, o agronegócio – que vai bem, obrigado – também é nosso e, se no futuro, vamos alimentar o mundo, é somente uma questão de tempo; O ouro, os diamantes, que existem quase que ”In natura”; também são dos brasileiros. Se querem ajudar, que fundem ONG’s no nordeste que ainda carece de alguns cuidados porque a seca, por lá ainda é uma cruel realidade…


TAGS:

LEIA TAMBÉM
Ver mais >
Acompanhe nossas atualizações. Siga-nos