Guaíra possui 20 casos de dengue e 88 suspeitos

Apesar da pandemia de coronavírus estar assustando a população, vigilância pede para que os guairenses se atentem aos cuidados para evitar o mosquito Aedes aegypti

Saúde
Guaíra, 2 de abril de 2020 - 00h20

Conforme boletim de terça-feira, 31, a Vigilância em Saúde municipal registrou 20 casos positivos de dengue em Guaíra, além de 88 suspeitos que aguardam resultados de exames e 143 negativos.

Apesar de a cidade estar em quarentena por conta da pandemia do coronavírus, as equipes da vigilância continuam atuando em combate ao mosquito Aedes aegypti visitando as casas na busca pelo foco e tentando orientar a comunidade da melhor maneira possível.

De acordo com o chefe do setor, Mauricio Alves, em entrevista à Rádio Sefe, os agentes ainda estão encontrando muitos criadouros, principalmente nos ralos externos das residências. “Os principais estão sendo nos ralos de escoamento de água pluvial, então, pedimos que as pessoas dêem uma atenção especial, façam uma limpeza nesses locais e não deixem de colocar água sanitária ou uma quantidade de sal para que não prolifere as larvas no município”, disse.

Ele também ressaltou que encontram larvas em bromélias, pratinhos de plantas e em materiais inservíveis. “Se não usar (esses materiais), coloque para a coleta do município”, orientou.

Por fim, Mauricio pede para que, caso algum cidadão apresente alguns dos sintomas da dengue, que procure a Unidade de Saúde da Família mais próxima de sua residência, mas alerta quanto a aglomerações. “Procura a USF, mas evite aglomerações, faça essa busca ao PSF de forma consciente, para que também não seja foco de contaminação de outras doenças respiratórias nesse momento.”

Faça a sua parte no combate à dengue: Elimine criadouros

Estamos na fase do ano em que as temperaturas sobem e vêm as chuvas, facilitando a multiplicação do mosquito Aedes aegypti. Isso aumenta o risco de contaminação de doenças transmitidas por ele, como dengue, chikungunya e Zika. Por isso, é importante que cada um faça sua parte, eliminando os recipientes que acumulam água e se transformam em criadouros. O mosquito é doméstico, com hábitos diurnos, se alimenta de sangue humano, sobretudo ao amanhecer e ao entardecer. A reprodução acontece em água limpa e parada. Então, continue fazendo a sua parte e evitando a proliferação do mosquito.

Veja dicas de como eliminar os criadouros:

– Mantenha a caixa e tonéis d’água, bem fechados. Coloque uma tela no ladrão da caixa d’água;
– Lave semanalmente, por dentro, com escova e sabão, os tanques utilizados para armazenar água;
– Coloque areia dentro de todos os cacos, que ficam nos muros, e podem acumular água;
– Remova folhas, galhos e sujeiras que possam impedir a água de correr pelas calhas;
– Faça sempre a manutenção de piscinas ou fontes com produtos químicos apropriados;
– Vasos sanitários de uso eventual devem ser tampados e verificados semanalmente;
– Bandejas de geladeira e ar-condicionado podem acumular água, limpe-as;
– Mantenha as garrafas com a boca virada para baixo, evitando o acúmulo de água;
– Elimine os pratinhos dos vasos de plantas, ou preencha-os com areia até a borda;
– Troque a água dos vasos de plantas aquáticas e lave-os com escova, água e sabão uma vez por semana;
– Coloque o lixo em sacos plásticos, feche-os bem e mantenha a lixeira bem fechada;
– Pneus devem ser guardados em locais cobertos;
– Se o ralo não for de abrir e fechar, coloque uma tela fina para impedir o acesso do mosquito à água;
– Lonas usadas para cobrir objetos ou entulhos devem ser bem esticadas para evitar poças d’água;
– Lave as bordas dos recipientes que acumulam água com sabão e escova/bucha. Isso vale também para a vasilha de água dos animais;
– Se encontrar larvas, jogue-as na terra ou no chão seco.

 


TAGS:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS EM Saúde
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente