Arnaldo Jardim destaca importância de transferir conhecimentos ao produtor

Agro
Guaíra, 21 de agosto de 2016 - 08h26

Para o secretário, o processo representa ainda um avanço em sustentabilidade, contribuindo para derrubar preconceitos contra a produção no campo

O secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, afirmou que a realização do “I BeefDay” é a celebração da parceria para transferir conhecimentos que melhorem as condições de produtividade no campo. O Dia de Campo, realizado nesta quinta-feira, dia 18 de agosto de 2016, no Polo Regional da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), em Colina, reuniu centenas de produtores rurais para debater o conceito do Boi 7.7.7, desenvolvido pela Pasta.

“Neste encontro há um espírito de parceria, de celebrar a aproximação da distância entre o Poder Público e o empreendedorismo, no que se refere ao manejo, à nutrição e à saúde do animal, que se revertem na saudabilidade dos alimentos. É a oportunidade de consolidar o nosso maior orgulho, que é sermos o maior país produtor de proteína do mundo”, disse o titular da Pasta.

Para o secretário, o processo representa ainda um avanço em sustentabilidade, contribuindo para derrubar preconceitos contra a produção no campo. “Existe ainda uma visão de que a produção no Brasil se faz com degradação e precisamos mudar isso. O produtor é o maior interessado em buscar este equilíbrio com o meio ambiente e a realização do Beefday possibilita incrementar os seus conhecimentos”, finalizou.

Pecuaristas de diversas regiões do Brasil puderam percorrer sete estações montadas na extensão do Polo e se atualizar e esclarecer dúvidas com especialistas sobre a gestão de risco na produção, fases de gestação da vaca, recria e terminação, além de estratégias para evitar os principais erros cometidos durante o processo. O sistema reduz em 30% o tempo para criar gado de 21 arrobas, garantindo lucro rápido ao produtor e a qualidade da carne para o consumidor.

Para o pesquisador do Polo Regional da Apta de Colina, Flávio Dutra de Resende, no conceito do Boi 7.7.7 é preciso trabalhar de forma equacionada em todas as fases do desenvolvimento do animal. “Se o trabalho for feito com o boi a pasto, é preciso formular a dieta dele em todas as fases. Com a aplicação do sistema, o animal ganha sete arrobas na cria, sete na recria e sete na terminação, num total de 21 arrobas em dois anos, no momento do abate. O animal leva no mínimo três anos para atingir 18 arrobas no sistema tradicional”, explicou o especialista.

Conhecimento e produtividade

Os ganhos de produção do sistema do Boi 7.7.7 já são comemorados por produtores dos Estados de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Goiás, Minas Gerais, Paraná e Rondônia e têm atraído a atenção de mais interessados, que participaram do Beefday.

A nova geração de profissionais do campo também está atenta às novas práticas do setor. A estudante do 2º período de Zootecnia do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos (Unifeb) Maria Jaqueline Lourenço Trivelato, acredita que o evento é uma grande oportunidade de ampliar os seus conhecimentos, contribuindo para a escolha da área em que atuará. “Espero saber mais sobre esse novo sistema e também fazer contatos com especialistas das empresas que participam do Beefday”, disse a estudante, que já estagiou no Polo Regional de Colina, na área de gado de leite.

O evento contou ainda com a presença da diretora do Instituto de Zootecnia, Renata Helena Branco Arnandes, e do diretor-geral das unidades regionais da Apta, Silvio Tavares, que representou o coordenador da Apta, Orlando Melo de Castro. Fonte: SAAESP


TAGS:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS EM Agro
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente