A grande farsa!

Editorial
Guaíra, 4 de setembro de 2016 - 08h05

O Senado Federal Brasileiro simplesmente rasgou a Constituição da República em uma sessão presidida por ninguém menos que o presidente do STF, Ricardo Lewandowski.

O objetivo foi friamente calculado e combinado (por integrantes do PMDB e PT) para manter os direitos políticos da ex-presidente Dilma Rousseff.

O presidente da casa, Renan Calheiros (PMDB), defendeu que Dilma fosse punida de uma forma mais branda. Não cabia ao Senado decidir sobre a ‘dosagem’ de pena aplicada a Dilma e sim cumprir seu papel como está previsto no artigo 52 da Constituição Federal.

Um “conluio” entre alguns nomes do PMDB e do PT foi organizado para que se preservasse os direitos políticos da ex-presidente.

Por que isso foi feito? O motivo é simples… Eles ‘blindaram’ Dilma para abrir uma nova brecha de interpretação na lei de responsabilidade.

Em um futuro breve veremos políticos graúdos (envolvidos na Lava-Jato) gastando milhões de reais com advogados para defender suas cabeças usando o mesmo argumento que foi usado para a blindagem de Dilma.

Ou seja, do mesmo modo que o Artigo 52 da CF foi fatiado para atender interesses do PT, outros artigos da nossa Constituição também serão desmembrados para que políticos corruptos não percam seus direitos políticos. É um incentivo descarado para que o Brasil continue sangrando os cofre públicos.

Em outras palavras, o Senado Federal “condenou Dilma por irresponsabilidade e lhe devolveu o direito de continuar sendo irresponsável!”

Depois disso, Dilma deixou o Governo e a estratégia petista deu certo. Ela agora desce em Minas Gerais para ocupar um cargo de Secretária de Planejamento no Estado, que é o colégio eleitoral de seu adversário político, Aécio Neves.


TAGS:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LEIA TAMBÉM
Ver mais >

RECEBA A NOSSA VERSÃO DIGITAL!

As notícias e informações de Guaíra em seu e-mail
Ao se cadastrar você receberá a versão digital automaticamente