Paulo Sérgio Lelis expressa opinião sobre a administração pública

Paulo Sérgio Lélis, casado com a Professora Liliane Magri Lelis, é pai de dois filhos: Daniel e Marcelo, todos trabalhando fora. Daniel está na Petrobras e o Marcelo é gerente de uma unidade da Bayer Syngenta, em Avaré (SP). Paulo Sergio é guairense e nasceu quando nossa cidade tinha apenas cinco mil habitantes no máximo

Cidade
Guaíra, 25 de março de 2019 - 16h30

 


Sua formação acadêmica em Direto Civil foi pela Pontifícia Universidade Católica, com grandes juristas como Franco Montoro, Ataliba Nogueira e Washington Monteiro de Barros. Em 1998, fez mestrado, onde defendeu a tese   sobre o respeito à pessoa humana ao qual todos os brasileiros são iguais perante a lei. Em 2.000, Dr. Sales, que era Conselheiro da Ordem dos Advogados do Estado, indicou-o para Universidade Barretos (Unifeb), para dar aula de Filosofia do Direito, onde ficou lá por seis anos.

 

O que é, para você, uma boa administração pública?

Uma boa administração é aquela que leva a vida pública a sério, é exigente, trabalha com respeito e dedicação em benefício da população, por exemplo, o problema da droga, como é que podemos resolver essa questão em nossa cidade? Com o esporte, temos um lago que é um campo aberto para desenvolver jogos gigantes, como, dama; jogo da velha; circuitos de obstáculos, nos quais você tem bicicletas, skates, carrinho de rolimã; também existe a possibilidade de atividades aquáticas, pode pegar toras, (que é um esporte dos povos indígenas) e fazer uma competição de travessia no Lago, pode criar uma equipe de remo aquático em Guaíra. Para isso, temos que ter dois professores de Educação Física para gerenciar tudo, porque é preciso ter um profissional. Não se pode administrar uma Prefeitura, uma cidade, sem ter pessoas capacitadas e que vão atrás desses elementos. Por exemplo, pode introduzir uma nova modalidade esportiva em Guaíra, como o beisebol, temos o exemplo de Sertãozinho. As usinas patrocinariam os times, a Prefeitura entraria com o profissional, tem o campo no Lago que dá perfeitamente para desenvolver um jogo, é uma nova modalidade. O jovem de 14, 15, 16, até 20 anos tem uma energia muito forte, precisamos canalizar essa energia de uma forma que ele não vá para o lado errado da droga. O esporte é a única forma que acredito. Esse é um exemplo de uma boa administração.

 

E a administração de Guaíra?

Temos vários imóveis em abandono aqui, sempre cobro do prefeito, é uma decepção, fico muito decepcionado, com isso, posso me tornar uma opção e me apresentar à sociedade. Tenho conhecimento para resolver isso, mas diante da situação de Guaíra, ela está precisando de uma liderança, de alguém que assuma com responsabilidade, tenho meus planos, por exemplo, temos a Secretaria da Educação, toda aquela região pode ser um Campus universitário, ou uma escola, mas o que precisa? Que o prefeito pegue seu Deputado e comecem a trabalhar em cima disso. “Olha estou precisando disso, tenho uma infraestrutura”. Temos na FEAG, um restaurante abandonado no qual podemos transformar em um restaurante estudantil.

 

Você acha que falta visão política?

Acredito que aqui nos falta visão e vontade política, hoje, existe o que chamo de oligarquia de compadrio. O que é isso? São sempre os mesmos, é um círculo:  é o beltrano, sicrano lutando  pelo poder e não para o poder, entendeu? Temos o Zé Eduardo, que era secretário da agricultura   no período da administração do Zé Carlos Augusto, agora, José Carlos trabalha junto ao prefeito Zé Eduardo, então, isso tem algum apadrinhamento e se continuar nesse jogo não vamos para frente.

 

Está indignado com a atual administração?

A indignação é a mesma de qualquer guairense de raiz, que nasceu, viveu e participou sempre das boas administrações.  O agente político que é o prefeito, ele não é um funcionário público e não está submetido ao Estatuto dos Funcionários Públicos, muito menos é o empregado de carteira assinada submetida é CLP. Como é que você vai entender que o indivíduo que toma posse no dia primeiro de Janeiro, quatro meses depois tira uma licença para ir passear na Disney com a família? Pergunto onde está a responsabilidade de um cidadão desses que faz isso todos os anos e deixa a prefeitura para o vice, por isso a cidade fica nesse caos. Vai na 39, por exemplo, lá no fim vai ver o estado do asfalto, nas sarjetas da cidade o tanto de mato, isso nunca teve, uma coisa é você querer ser e outra coisa poder ser. Quer um exemplo? Guaíra não comporta secretarias, isso é para cidades de mais de 100 mil habitantes, aqui é muito pequeno, com quatro pessoas você administra a cidade.

 

Não é necessário tantas pessoas?

Se eu entro na prefeitura, quem vai ser o meu braço direito? O chefe de gabinete, mas qual é a função dele? Não é ser secretário e ficar recebendo o pessoal, filtrando quem entra, quem sai, e o prefeito evitando de receber o povo. O prefeito tem que ter um dia da semana para receber a população e conversar, como fazia Dom Pedro, que, aos sábados, recebia o povo no palácio. É o exemplo de um grande estadista, agora, a função do chefe de gabinete? Ele tem que ser contabilista da administração, entender de contabilidade administrativa e da legislação administrativa Municipal, ele tem que dominar, porque é ele quem vai ver as contas, o que entra e o que sai da receita, vai falar se isso pode e aquilo não. Existe em Guaíra só uma pessoa habilitada, que trabalhou 40 anos na prefeitura e por conluio de algumas pessoas foi dispensado da câmara injustamente, o João José Assis Leite – ele é doutor em legislação Municipal, quando ele era jovem foi chefe de gabinete do Dr. Fábio e levava na ponta do lápis todo o orçamento e Dr. Fábio não deixou dívidas. Me parece que o prefeito está pensando em fazer um empréstimo de cinco milhões, quer dizer se está pedindo dinheiro emprestado diante de um orçamento dia 200 milhões alguma coisa está errada.

 

De quem mais?

A prefeitura precisa de engenheiro, porque ela está em constante campo de obras, tem reformas, construções, pavimentação das estradas vicinais; para isso, é necessário um engenheiro e o único que conheço com capacidade pelo currículo dele é o Valdemar Moreira, (Moreirinha), levou no peito dois projetos do mutirão sozinho. Ele foi lá e acompanhou os dois projetos. Havia a política do governo Franco Montoro, foi um dos melhores governadores e no plano de governo dele tinha os projetos dos mutirões construídos pelos próprios moradores.

 

Mas e o departamento de compras?

Existe também o departamento de compras, que é vulnerável na prefeitura, porque ali é compra e venda, um jogo de interesse, é preciso de uma pessoa honesta e existe uma pessoa que é um amigo, o professor Amir. Ele tem uma larga experiência no poder público. Outra coisa, em relação à coordenadoria da Educação e da Saúde, tenho um procedimento diferente, acho que tem que partir de baixo para cima, reunir todos os professores da educação e eles elegerem três pessoas, apresentam os três  nomes para  o prefeito, é uma lista Tríplice que ele vai escolher um, porque eles vão saber quem é melhor para coordenar. Isso  na saúde também: reúne todo o corpo médico,  enfermeiro  e eles vão indicar quem seria melhor coordenador da Saúde para prefeitura.

 

A administração pública exige mais do que visão?

É preciso ter consciência da responsabilidade na administração pública e escolher na comunidade os melhores, e não fazer política, conchavo político, apadrinhamento… E é o que acontece. Entra o Fulano coloca os parentes, os amigos colocam todo mundo e ninguém sabe nada e tentam ganhar dinheiro à custa do povo, porque nós pagamos, diante de tudo que está acontecendo. Há 20 anos, em Guaíra, é uma decadência administrativa impressionante, depois de termos tido uma série de bons prefeitos e o passado serve de referência, pela maneira que administravam que levaram a coisa pública séria. E depois de 20 anos tem um desastre desse, uma cidade rica, nós temos a renda per capita uma das maiores da região, de R$ 23.000 por pessoa e o orçamento da prefeitura é de quase 200 milhões, se o prefeito pegar 10% de 200 ou de 180, 150, dá para reformar todos os imóveis abandonados. Vou citar os administradores de Curitiba, que são os meus mentores em administração pública – fiz meu projeto que entreguei para o Flávio Tavares baseado nisso, baseado em Curitiba, que é uma cidade modelo e de lá você tira o que você pode aproveitar para nossa cidade e assim fiz. Lá em Curitiba, os barracões abandonados foram transformados em shoppings populares, imagina se o prefeito tiver uma iniciativa de transformar, declarar calamidade pública e desapropriar conseguirá com facilidade. Fizeram isso em demasia em Guaíra, até o Doutor Fábio fez desapropriação por interesse público, para beneficiar a sociedade. Transforma no shopping, você vai gerar emprego para Guaíra ainda mais em uma Rodovia, não é comum Shopping de luxo, mas um Shopping Popular, que atenda às necessidades da sociedade. Começa com simplicidade e daqui uns dias vão tendo lucro, aperfeiçoando de acordo com as necessidades. Quando montei a polícia Municipal, cheguei para o Doutor Fábio, não existia ninguém que falava em polícia civil municipal, na época era uma coisa que existia nos Estados Unidos, captei, cheguei no Doutor Fábio e disse: “vamos montar uma polícia Municipal?”,  ele me respondeu: “fica por sua conta”,  o tenente que hoje é o Major Mendonça, na época era  tenente, fomos  conversar com o senhor Ari ,  que era secretário da segurança e eu expliquei tudo para ele, como é que ia funcionar; ele  nem  sabia como  funcionava a  polícia Municipal e autorizou.

 

Um bom político tem que ter conhecimento?

Se você olhar a história da humanidade desde a Grécia antiga na formação da civilização,  os grandes imperadores, você chega no pensamento escolástico da idade média da igreja católica,  o iluminismo e a formação dos estados da Europa do século XVIII,  começa a te dar força para  ser um bom político que conhece a história,  não a História da formação ocidental, mas  a história de seu Estado,  como de São Paulo, que  foi criado entre a  decadência do café no Vale do Paraíba,  a conquista da Mogiana,  em Ribeirão Preto,  tudo mais… Precisa conhecer a formação de Guaíra, a história dos grandes prefeitos, a velha política de Guaíra. Acredito que quando você conhece isso te dá um entusiasmo e quando se depara hoje, você tem tudo, orçamento, o elemento humano, acaba se questionando como chegou nesse ponto? Por quê? Acredito Guaíra merece ser melhor zelada, é um povo que trabalha, temos três usinas, o pessoal paga imposto…

 

Então uma boa administração é?

Existe uma pesquisa do jornal New York Times que diz o seguinte: uma boa administração vai mostrar se ela é boa, ou ruim nos cem primeiro dias, coloco um pouquinho mais, uns seis meses, mas aqui vamos colocar seis meses; se o prefeito não fizer nada, não tomar uma atitude, é porque ele não vai, é medíocre. Isso tiro de letra e lanço o desafio, por que a cidade está esburacada? Por que não se coloca mais mantas asfálticas? não é tapar buracos. Como na época do Chubaci, Aloísio, que o recurso era muito menor, fizeram na cidade inteira e atualmente temos muito mais recursos e não pode ser feito?

 

Mas, temos pessoas capacitadas, não é?

Precisamos de pessoas capacitadas, um bom vice para ajudar o prefeito, para discutir, fazer uma reunião, o que vamos fazer? Vamos atrás, vamos lá em Brasília, São Paulo, vamos brigar. Tem um chefe de gabinete, ele fica aí e você vai lá em Brasília conversa com seu deputado. Pensa bem, sou monarquista, o príncipe é também interessante, você acha que a monarquia não tem interesse de colocar uma escola Federal aqui em Guaíra? Acha que não é benefício para o próprio movimento para a restauração da monarquia aqui? Acredito que Guaíra tem tudo.

Você teria que administrar não pensando na próxima eleição, mas na próxima geração, temos que pensar em nossos netos. Tenho comigo que o amor é dividido em três, que são:  Ares, Filia e Ágape. O Ágape é o amor de poder contribuir, amar ao próximo como a ti mesmo. Ajudei jovem, já mandei para Estados Unidos, recebi cinco estrangeiros na minha casa, dei estágio coisa que nem a usina faz. José Bonifácio tem uma escola agrícola, fui lá, conversei com o diretor e proporcionei para 13 alunos, durante três anos, estágio na minha fazenda, pagava almoço, contribuí com uma pequena ajuda de custo, tudo no sentido de contribuir com a juventude, melhorar a capacidade das pessoas e isso é o  ideal.

 

Você gostaria de contribuir com a administração da cidade?

Gostaria de contribuir diante dessa grande decepção que o guairense passa. Nessa altura do campeonato, me coloco à disposição da população, porque dou conta e acredito que nessa altura da minha vida tenho conhecimento o suficiente para colocar as coisas em ordem. Estou procurando uma pessoa, um vice que seja empreendedor e empresário, que tenha a mesma capacidade que tenho. Então, peço às pessoas que, se por um acaso for solicitada sua contribuição, com uma parceria, que pense primeiro na cidade, porque aqui é onde nós nascemos, vivemos, fizemos nossas amizades e seremos enterrados. Gosto de Guaíra, tive a possibilidade de morar fora, porém não quis sair daqui. Muitos guairenses saíram, porque não tiveram oportunidades. Quando você consegue trazer benefícios para a cidade, ela, automaticamente, evolui e vai segurar esses elementos, pois quando há uma boa administração ela gera oportunidades para aqueles jovens permanecerem na cidade.

 

Você ficou de explicar o “Mito da caverna”

O mito da caverna de Platão é assim: Ele viveu na Grécia há 2.400 anos e escreveu um livro, que foi intitulado “A República”; nele tem vários episódios e entre eles o “Mito da caverna”. O mito da caverna é o contraste. Há a necessidade de se ter o contraste para poder abrir a consciência e se libertar, ter uma reflexão crítica. Ele conta que lá no fundo da caverna havia pessoas que lá moravam e que o ideal era uma fogueira, que iluminava toda a caverna e refletia a matéria. Eram as sombras nas paredes da caverna e todos eles achavam que a vida era daquela forma, viver naquilo lá. Os que mandavam, convenciam aqueles que eram mandados que estava tudo bem, que era isso mesmo. Até que um dia alguém viu uma luz lá em cima e foi atrás dessa luz, então, subiu a rampa da caverna até encontrar aquela luz, quando ele chega, se dá com o brilho do Sol… Esse é o ideal, aquilo que Platão chama de ideal, essa pessoa que vai até a luz; é o que ele chama de político, sábio, porque descobriu o ideal, aquilo que era melhor do que aquela vida lá embaixo, aos poucos, ele vai levando toda aquela população para o mundo descoberto. A luz solar é o Ideal, é a verdadeira sabedoria. Guaíra vive hoje no mundo da caverna, como um mito de 2.400 atrás. É sempre atual, a capacidade de verificar o contraste entre aquilo que é fechado, pouca luz e depois você então vê o extremo, aí que dá a reflexão crítica, da abertura da sua consciência, espero que a população de Guaíra se conscientize na necessidade de mudança, como está havendo a mudança no governo federal, essa mudança que houve e estou à disposição. Fui procurado pelo Flávio Tavares, apresentei minhas propostas, mas ainda não sei, estamos conversando. Quero que a população de Guaíra e os eleitores tenham o desprendimento de saber escolher as pessoas que melhor vão administrar o patrimônio público da cidade, porque o bom administrador vai beneficiar o município.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS EM Cidade
Ver mais >
Acompanhe nossas atualizações. Siga-nos