O Bê a Bá das expressões numéricas e emoções

Hélio de Carvalho Mielli, 60 anos, guairense, casado com Sebastiana Zubioli Mieli, pai do Murilo e da Paula acaba de editar um livro: “Matemática financeira sem segredos”, fechando assim aquela máxima em que se preconiza que todo ser humano tem que “ter um filho, plantar uma árvore e escrever um livro”. Guairense apaixonado por sua terra,Mielli se emociona ao se recordar dos “velhos e bons tempos” passados com os familiares e amigos.

Entrevistas
Guaíra, 14 de julho de 2019 - 08h30


Estudou o tempo todo em Guaíra?

Sim. Frequentei os bancos escolares aqui mesmo. Depois que terminei o segundo grau na Escola Enoch Garcia Leal, passei a cursar a Universidade de Franca, na área da ”Economia”. Nesta época conciliava os estudos com o trabalho de bancário, no Banespa.

 

Depois de formado, o que aconteceu?

Eu me formei em Franca em 1979, ainda como funcionário do Banespa, no ano de 1980 comecei minha carreira no banco, então residi em diversas cidades, na verdade sete cidades, até chegar em São Paulo e me fixei e estou lá até hoje.

 

Isso já tem quanto tempo?

Estou fora de Guaíra há 39 anos, mas devo confessar que durante todo este tempo jamais deixei de visitar minha cidade. Não passo dois meses sem aparecer por aqui. Minha família está aqui, a família da minha esposa também e meus filhos aprenderam amar nossa terrinha, eles têm amigos aqui, assim como eu.

 

Então você tem gratas recordações de sua terra natal?

Sim, fiz muita serenata juntamente com os amigos: O Camilo, Luiz Quintino, o Douglas Talarico. Joguei muito futebol com o pessoal do banco. Tenho o maior orgulho em dizer que sou guairense.

 

O que te levou a escrever um livro?

Meu livro ”Matemática financeira sem segredos” nasceu porque eu leciono ”Matemática financeira” há 30 anos, então senti de perto a dificuldade das pessoas em pesquisar esta área nos diversos livros que existem. Alguns autores mostram o assunto como sendo difícil. E não é. Para as pessoas que não têm medo da matemática, principalmente a matemática financeira, fica tudo muito simples demais.

 

Então o objetivo do livro…

É desmistificar a matemática financeira. Este livro é praticamente um curso dessa matemática, matéria que eu leciono no SENAC, em São Paulo, com uma linguagem acessível, eu mostro, já no primeiro capítulo, como manusear a Calculadora financeira, que é uma HP12C que é uma ferramenta apta a resolver todos os exercícios do livro. Então eu abordo a ferramenta, depois começo com a teoria, exemplos resolvidos com a calculadora e exercícios propostos.

 

E assim vai?

Sim, abordo outro tópico, vem a teoria, os exemplos resolvidos, exercícios propostos e assim durante todo o livro.

 

Então qualquer leigo que tiver uma dúvida financeira, ela pode ser sanada lendo seu livro?

Exatamente. Vou dar o exemplo prático que pode suscitar dúvidas em quem não domina a matemática financeira: O pagamento do IPTU. Geralmente no carnê vem as opções da prefeitura, com desconto de pagamento à vista ou pagamentos parcelados. Na matemática financeira faz-se o seguinte estudo: Se for pagar parcelado, o dinheiro fica na caderneta de poupança, por exemplo, rendendo uma taxa de juro, ao longo deste período. Então nós fazemos esta análise ”Qual a melhor alternativa?” | ”Deixo o dinheiro aplicado e pago parcelado?” ou ”Tiro o dinheiro e pago à vista?” Via de regra, paga-se à vista…

 

Isto equivale dizer que quem tiver uma dúvida vai encontrar solução lendo seu livro?

Sim, estudando a matéria, ou seja, um pouquinho da matemática pura aplicada à matemática financeira. É preciso conhecer o produto ou o contrato que está regendo aquela operação, no caso do exemplo, o IPTU, ou um contrato bancário, um reajuste de um contrato de aluguel .Qual é a metodologia aplicada, nós temos os juros simples – com suas fórmulas,os juros compostos – com suas fórmulas – tem descontos de duplicatas que os comerciantes vão aos bancos para fazer dinheiro – tem as fórmulas específicas – para tomar um empréstimo no banco e pagar parcelado, em fim, para tudo a matemática pode ser aplicada, sempre em cima do que rege aquele contrato.

 

Dentre as matérias escolares, a matemática sempre foi tida como um ”bicho papão” o que te levou a gostar tanto desta matéria?

Eu tomei gosto pela matemática com a Professora Heleninha (Helena Garcia Santana). Eu era péssimo em matemática, mas com esta professora, tomei gosto. E mais, passei a ser bom em matemática. O fato é que descobri que tenho facilidade para cálculos. Passei a seguir este caminho e no banco trabalhava na área financeira, na tesouraria do banco. Durante 20 anos na tesouraria do Santander, era o meu trabalho. Não bastasse isso passei a lecionar esta matéria. Era a minha vida…

 

Voltando ao seu livro, ele foi bem recebido?

Foi sim! Está ainda muito recente a edição tem menos de um mês. É um livro que o SENAC vai utilizar nos cursos que ele ”roda” pelo Brasil.

 

Porque seu livro não tem dedicatória?

Primeiro não é fácil escrever um livro. E este é um livro mais técnico, específico. Até pensei em dedicá-lo à Professora Helena, mas por ser um livro mais peculiar, me abstive deste item.

 

A quem você recomendaria este livro?

Eu recomendaria aos estudantes da área de Administração, Economia, Contabilistas, empresários que tenham interesse em desenvolver esses conhecimentos que são importantes na vida empresarial. É importante este conhecimento…

 

Na vida atribulada de São Paulo, a que horas você escrevia?

Na verdade este livro estava pronto, sempre esteve pronto na minha cabeça. Só faltava encontrar as palavras certas. Faltava a formatação porque eu leciono isto há muito tempo. Quando me aposentei no Banco, fiquei com as aulas no SENAC, me sobrava tempo (risos).

 

E agora? O que você espera do futuro?

Independente do partido ”A” ou ”B” espero que a nossa economia melhore porque assim melhora para todo mundo. Particularmente eu espero levar minha assim, sendo gentil com as pessoas, continuando dando aula, conversando, vivendo simplesmente sem complicações.

 

Continuando em São Paulo?

Sim, pode parecer que ali é uma selva de pedras, mas ainda se encontram nichos, com pessoas que te cumprimentam, te reconhecem, há um circulo de amizades…

 

Onde podemos encontrar este livro?

Hoje ele está em todas as plataformas digitais, no próprio site do SENAC, os estudantes têm descontos e o livro foi editado pela própria editora do SENAC porque eles se interessaram, eles abrem as portas quando percebem uma qualificação, é uma entidade muito boa.

 

Agradecimentos?

Eu falo sempre que eu dei muita sorte. Fui sempre muito abençoado! Tudo que eu preciso ou precisei apareceu na hora certa. Agradecer a Deus e deixar aqui uma curiosidade: É que parece que quando estou tocando violão, me vem umas músicas antigas, que eu nunca toquei, que não conhecia, do tempo do meu pai, parece que está no DNA. No mais, agradecer a Deus – sempre – a minha família – meu esteio – aos amigos e tentar levar minha vida na humildade, na simplicidade, um dia de cada vez. Sou grato à vida, a esta cidade, aos meus pais que formaram meu caráter e que Deus nos ajude a todos…



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS EM Entrevistas
Ver mais >
Acompanhe nossas atualizações. Siga-nos